CONTEXTO

Você lembra a última vez que precisou fazer compras no shopping? Consegue lembrar de alguns detalhes como, por exemplo, o que te motivou escolher determinada loja em vez da outra? Como foi a sua experiência? Alguém estava lá para te atender? Tente lembrar como funcionou esse atendimento, como você se sentiu? Pois é, imagino que muitas pessoas passaram por experiências boas e ruins de compra. Agora eu te pergunto: você retornaria à mesma loja em que não foi bem atendido/a?

Hoje em dia, as pessoas não estão buscando apenas o melhor produto, mas, também, a melhor experiência que a marca fornecedora pode proporcionar. Por causa disso, a busca de profissionais na área de design que se preocupam com a experiência do/as usuário/as está cada vez maior nas empresas. Apenas oferecer produtos e serviços não é mais o bastante e, por isso, uma experiência bem planejada e aplicada, tornou-se um diferencial competitivo. Para você ter uma ideia, de acordo com a CIO, a profissão de UX Designer está entre uma das mais requisitadas na área de TI (confere essa reportagem aqui).

O QUE VOCÊ

PRECISA SABER

POR ONDE

COMEÇAR?

Aqui, iremos disponibilizar uma série de conteúdos para você consumir e iniciar sua jornada em UX/UI Design. Esse conteúdo foi construído em parceria com: Ciro Luna.

O que você precisa saber para trabalhar com UX

Então você quer trabalhar com User Experience Design. Isso é ótimo, mas espero que não tenha escolhido a profissão por causa do seu nome pomposo. Na verdade, o trabalho de um UX designer envolve muitos desafios. Antes de seguirmos adiante, portanto, vamos equilibrar as expectativas quanto ao seu futuro trabalho.

Um pouco de realidade

O Design de Experiência do Usuário não tem nada a ver com ser sempre bonzinho com o cliente. O trabalho do profissional de UX é garantir uma boa experiência para o cliente de forma a gerar valor para a organização, quer este valor seja direto (como o pagamento para o uso de uma plataforma, por exemplo) ou indireto (muitos acessos a uma plataforma atraem investimentos de muitos anunciantes).

Também é comum que o profissional iniciante da área queira resolver todos os problemas que um usuário pode ter em sua experiência com um produto. Muitas vezes isso não é possível por diversas razões, a maioria delas proveniente das áreas de negócio (objetivos do produto) e tecnologia (custos de implementação). Enquanto as companhias mais renomadas pela experiência que proporcionam aos seus clientes dedicam energia e recursos para garantir que o menor dos detalhes seja bem cuidado e atendido, a realidade para a maior parte das empresas é bem menos glamourosa. Os recursos são limitados, os prazos são apertados e a entrega simplesmente tem que ocorrer. Em casos assim, é necessário que o designer de experiência do usuário compreenda as limitações e trabalhe dentro delas.

Mas existem empresas que não parecem se preocupar com o seus clientes. User Experience, afinal, ainda é uma área que está se estabelecendo e amadurecendo no cenário nacional. Muitas empresas contratam UX designers simplesmente porque as grandes apontam isso como diferencial e, em companhias assim, o trabalho do profissional de UX se torna desgastante. É comum que haja algum nível de tensão entre as áreas de negócios, tecnologia e User Experience numa organização mas, quando a voz do usuário nunca é ouvida, o problema é mais sério. Não há como um único profissional (ou um departamento ilhado) resolver uma questão de cultura corporativa.

Isso significa que, a menos que você comece sua carreira em um paraíso do design e da inovação, você precisará discernir entre uma empresa que não tem recursos para fazer o trabalho exatamente como deve ser feito e outra que arranja todas as desculpas para sequer tentar. Se for o segundo caso, não vale a pena investir muito do seu tempo ou apostar sua carreira num local onde o design (e, consequentemente, o cliente) não é valorizado.

Se interessou? Confira logo abaixo alguns artigos e dicas sobre a realidade do mercado de UX no Brasil:

O melhor momento é sempre agora

Se trabalhar com User Experience for realmente o seu chamado, porém, você não deve desistir. Ser a voz do usuário num cenário de preocupações internas mais imediatas pode ser desafiador, mas também traz suas recompensas. Além disso, o momento que estamos vivendo na área é muito bom para quem quer se desenvolver como profissional.

Durante algum tempo, o design de produtos e serviços digitais focava apenas em usabilidade (facilidade e eficiência no uso de um produto). Isso fazia sentido numa época na qual executivos escolhiam os softwares que os funcionários da empresa usariam: o foco estava em aumentar produtividade dos colaboradores, evitar treinamentos onerosos e prevenir erros que poderiam trazer grandes prejuízos para a companhia.

Alguns anos mais adiante, as pessoas que usavam as produtos digitais passaram a ser aquelas que escolhiam quais softwares adotar. Isso começou com soluções voltadas ao consumidor final e o foco saiu da eficiência e facilidade de uso (usabilidade), passando a abranger também o prazer no uso desses artefatos digitais (experiência do usuário). Com o crescimento dos softwares como serviço (SaaS) hospedados em nuvem, a experiência do usuário começou a se estabelecer como palavra-chave na criação de sistemas corporativos, visto que bastava um clique para adotar ou abandonar uma solução.

Hoje vivemos numa época na qual os usuários fazem o download de dois ou três aplicativos gratuitos antes de escolher qual usar. Ao mesmo tempo, empresas ouvem cuidadosamente seus colaboradores na escolha de soluções B2B. Essa saturação de ofertas que resolvem o mesmo problema força uma outra mudança de paradigma no design de artefatos digitais: o foco no valor entregue por um produto ou serviço aos olhos do usuário. O designer passa, então, a tomar parte nas decisões estratégicas quanto ao produto, ajudando a definir a proposta de valor das soluções.

O perfil do profissional de UX

Antes de falar das habilidades que um profissional de UX precisa desenvolver, é importante observar o conjunto de atitudes que devem ser cultivadas. Essas atitudes são as que garantirão que as habilidades mais formais do UX designer evoluam.

Abra mão da autoria

Dependendo do tamanho da empresa na qual você trabalhe, você pode ser o único designer de experiência do usuário da equipe. Mesmo assim, você estará trabalhando com pessoas de outros setores, especialmente os de negócios e tecnologia. O mais provável é que todo mundo envolvido pense que sua visão de produto pessoal é a perfeita e essa é uma armadilha na qual o designer não pode se deixar cair. Tenha em mente que o que vocês estão criando tem um propósito que deve ser alcançado a despeito de preferências individuais.

Seja um investigador

Busque entender quais são as expectativas das pessoas envolvidas no projeto, valide as hipóteses nas quais a solução que você está criando se baseia. Esteja disposto a sair do escritório para responder às perguntas que surgirem e não tenha medo de fazer perguntas para o seu time ou para o seu público-alvo. Quanto mais informação você tiver para levar o projeto adiante, melhor.

Busque referências

Se todo profissional de UX tivesse que acordar a cada manhã inspirado o suficiente para encarar suas 8 horas de trabalho, o design seria uma profissão impossível. Tome nota de boas referências, conheça os padrões já estabelecidos e fique atento a soluções interessantes para problemas complexos.

Entre para grupos e comunidades nas redes sociais, assim, você estará expandindo seu networking e as possibilidades de absorver experiências, boas práticas e conhecimento.

 Grupos no Slack

Youtube

Cursos online

Faça seus próprios experimentos

Nunca se falou tanto de UX design e a internet é um reflexo disso. No meio de tanta informação, sempre surge uma ou outra técnica nova, bem como novas maneiras de se usar ferramentas já conhecidas. Não tenha medo de experimentar. Conheça as técnicas que não te servem e as que te servem melhor em cada situação. A caixa de ferramentas do designer é imensamente variada e é a experiência que vai fazer com que o profissional de UX escolha melhor o que usar.

Habilidades do profissional de UX

Dependendo de qual papel você vá desempenhar na área de UX, você precisará de um conjunto de habilidades específicas. Você não precisa ser um especialista em todas elas para começar, mas é importante tê-las em mente no seu desenvolvimento profissional.

O camaleão de UX e sua pele multidisciplinar

Rabiscar

Habilidade importante para todo mundo, já que faz parte do trabalho do designer mostrar ao invés de explicar.

Seja na hora de representar um fluxo de uso ou uma interface, a habilidade de fazer rabiscos rápidos antes de usar qualquer software gráfico reduz o tempo (e os custos) de alinhamento entre os membros da equipe e permite testes iniciais mais rápidos no design de uma solução.

Design gráfico

Designers de interface (UI) precisarão ter essas habilidades bem afiadas (cores, tipografia, equilíbrio visual, etc).

Além do que já seria aplicado em peças de design mais estáticas, o designer gráfico que queira trabalhar com interfaces deve lembrar que produtos digitais são interativos. Elementos clicáveis devem ser obviamente clicáveis, botões devem ter o tamanho adequado para pessoas com dedos mais gordinhos, etc.

Designers de experiência do usuário se beneficiam do design gráfico especialmente no que diz respeito ao design de informação (hierarquia visual, distribuição e densidade da informação, etc) para a confecção de protótipos como rabiscos e wireframes.

Arquitetura de informação

A arquitetura da informação lida com os a organização do conteúdo em um produto digital (considerando a distribuição da informação, tipos de navegação, títulos de páginas, rótulos dos menus, etc). A arquitetura da informação entrega, entre outras coisas, mapas do site, categorização de itens e wireframes com o design da informação. Fundamental para UX designers.

Design da interação

Designers de experiência do usuário precisam desenvolver esta habilidade, pois ela lida com a interação entre os usuários e o sistema, levando em consideração o comportamento da solução, os componentes usados na interface, etc. O design da interação entrega, entre outras coisas, fluxos de uso, wireframes com componentes de interface, protótipos navegáveis e relatórios de testes com usuários. 

Pesquisa e síntese

Importante para pesquisadores UX e estrategistas. Através da pesquisa, é possível entender as dores, necessidades e anseios dos usuários. É responsabilidade do pesquisador UX entregar informações sobre as quais os designers possam agir, fornecendo documentos como personas, mapas de empatia, jornadas do cliente, mapas de experiência, etc.

Escrita

O texto sempre esteve presente nas interfaces gráficas e temos até interfaces quase que exclusivamente textuais (como chatbots). Você vai querer que seu produto fale a linguagem do seu cliente, não de forma absurdamente técnica ou incompreensível por excesso de jargão interno. Sendo assim, não deixe a escrita dos textos das suas interfaces para os desenvolvedores ou para o pessoal de negócios.

Se interessou? Confira logo abaixo alguns artigos sobre o perfil de um profissional de UX:

Assustou? Então deixa eu te contar um segredo... 

Você não precisa saber de tudo logo no começo. Na verdade, nem o profissional de UX mais sênior sabe. Estamos o tempo todo aprendendo a usar técnicas e ferramentas novas, estamos o tempo todo desenvolvendo novas habilidades simplesmente porque a área de experiência do usuário está em constante evolução.

Na época que comecei, passei muito tempo me preparando antes de dar o pontapé inicial, achando tudo muito mais complicado do que realmente era.

O conselho que tenho para dar para quem está começando é “escolha com o que quer trabalhar e comece”. Cultive as atitudes recomendadas e o desenvolvimento das habilidades necessárias virá com o tempo e a experiência.

LISTA DE

FERRAMENTAS

A área de design digital possui várias vertentes, podendo trabalhar em tudo que envolva a tecnologia. Cabe ao profissional escolher em qual especialização atuar e se preparar para o mercado, como por exemplo: design gráfico, UX/UI ou desenvolvimento de produto.

Se interessou? Preparamos para você algumas tendências no mercado de design para dar uma olhada, confira abaixo!

Soft Skills sempre!

Se você acha que não é importante está enganado/a! A capacidade analítica, aprendizagem rápida (o famoso “fast learning”), adaptação, inteligência emocional, capacidade de trabalhar em equipe, boa capacidade de comunicação e argumentação são algumas das qualidades muito bem vistas na escolha de um/a profissional dessa área. 

Design não é apenas design

Cada vez mais a atuação da pessoa profissional de design está sendo vista como algo de maior impacto além de protótipos e testes. A tendência é se posicionar cada vez mais como ponto de vista estratégico para as empresas. Projetos de sucesso estão sendo diretamente relacionados ao investimento de um/a profissional de design.

VUI - Voice User Interfaces

E quem disse que o design é só visual? As interfaces que estamos acostumado/as a interagir no dia-a-dia estão mudando, os dispositivos de voz estão, cada vez mais, ganhando espaço sendo o VUI uma nova tendência para esse mercado.

UX Writing

Criar produtos que atendam as necessidades de seus usuários é uma das missões do/as profissionais de design! Você já parou para pensar como a sua interface vai comunicar com o seu usuário? Como passar as informações de forma distribuída e organizada para que ele/a consiga entender e atingir seus objetivos? Como padronizar o modo que uma empresa se comunica com o seu usuário/cliente? O UX Writing é um ramo que está crescendo cada vez mais devido a essa necessidade, sendo posicionado de forma estratégica nas empresas.

Protótipo & Wireframe

Comumente utilizado para prototipação e design. Essa ferramenta permite realizar interações, como o Invision e Marvel, facilitando o trabalho. Porém, sua utilização é exclusiva para o Mac.

É uma ferramenta para acompanhar de perto, pois está ganhando um espaço maior nos coraçõezinhos do/as designers! Além de ser colaborativa, ela possui integrações com outras ferramentas, como por exemplo, o Frame e o Principle, podendo realizar interações mais avançadas. E o melhor: ela atende a todos os sistemas operacionais sem contar que funciona também no próprio navegador.

Aos fãs dos produtos da Adobe, o Adobe XD veio com tudo para disputar essa batalha! Com ele é possível aprimorar os protótipos com voz, redimensionar automaticamente elementos para diferentes telas e criar animações incríveis em todas as pranchetas sem linhas de tempo.

Análise x Métricas

Imagine por exemplo, que você precisa implementar uma melhoria no site de sua empresa de uma forma que aumente a visibilidade de determinado produto. Como você faria? Com o Hotjar você consegue mapear a jornada de ações que os usuários tem em sua página, em que ponto do site as pessoas estão saindo com mais frequência ou prestando mais atenção, gravações e tudo isso são informações que te ajuda a analisar e elaborar uma solução.

Com ele é possível analisar a interação dos usuários de forma global. É interessante utilizar esta ferramenta em conjunto com o Hotjar, por exemplo, para adquirir informações complementares.

Colaboração e metodologias

Essa ferramenta é utilizada para o controle e gerenciamento de projetos, foi desenvolvida utilizando a metodologia Kanban como base. Ela reforça a participação da equipe como um todo, definição de tarefas, seu andamento e as responsabilidades de cada um.

  • Scrum ou Kanban

Como designer, é comum fazer parte de times multidisciplinares em diferentes projetos. O Scrum e Kanban são as metodologias de gestão de projetos mais utilizadas de hoje em dia.

Pacote Adobe

Photoshop, Illustrator e InDesign: o trio imbatível!

Todo/a profissional deve conhecer ou, no mínimo, já ouviu falar dessas três ferramentas que juntas se complementam na área de design. Edição e criação de imagens é utilizado o Photoshop. O Illustrator é mais utilizado quando se deseja trabalhar com arquivos vetoriais, então, se você precisar realizar um trabalho de vetorização, é uma ótima escolha utilizar o Illustrator. Com ele, você consegue gerar ícones, desenhos, tipografias, ilustrações e muito mais. Para situações que você precise diagramar os conteúdos, o InDesign é uma ótima escolha, costumam utilizá-lo em situações em que o conteúdo precisa ser bem distribuído e organizado, como é o caso de revistas, jornais, livros e e-books.

Essas são algumas dicas para ficar de olho, mas, lembre-se: para qualquer profissional que deseje iniciar uma carreira na área do mercado digital, é preciso sempre se manter atualizado/a, acompanhando novas ferramentas, testando melhores soluções e buscando resultados.

PROFISSIONAIS

EM DESTAQUE

Alexandre Paez
Product Design Lead no 5º Andar
UX DESIGNER - Renato Contaifer
Renato Contaifer
Product Designer e Facilitador Online no Officeless
Laura Lessa
Laura Lessa
Design Director na Tropikal
Andrei Gurgel
Andrei Gurgel
Designer na Toptal
Letícia Pires
Letícia Pires
Gerente de Product Design no QuintoAndar
Guilherme Neumann
Gui Neumann
Head of Design de Nubank
Izabela de Fátima
Izabela de Fátima
User Research Specialist no iFood
Marcello Manso
Marcello Manso
Senior Interaction Designer no Google

PARCERIA DE

CONTEÚDO

Ter um UX Designer na sua empresa já não é mais escolha, e sim necessidade!

O UX Designer já não é um profissional desconhecido ou reconhecido apenas em nichos específicos. Pelo contrário esse é um profissional necessário nos mais diversos setores como comunicação, marketing, tecnologia e tantas outras áreas. O termo UX Design vem do inglês “User Experience Design”, e sua grande diferença para o Design Gráfico é o desenvolvimento que abrange todos os aspectos que têm relação com os usuários.

Leia o conteúdo completo aqui

PRÓXIMOS

PASSOS

Conhecer os Cursos da Gama Academy

Somos uma startup de educação que trabalha com recrutamento, seleção e treinamento para o mercado digital. 

Temos um programa chamado Gama Experience que é voltado para o desenvolvimento de 4 principais áreas desse mercado: Marketing (Growth Hacking), Vendas (Inside Sales), Design (UX/UI) e Desenvolvimento (Front-end).

É um programa intensivo de 5 semanas com metodologia própria que desenvolve habilidades técnicas e comportamentais, com aulas online e encontros presenciais e que conectam o/as participantes com profissionais das mais diversas empresas de tecnologia e startups.

Nossa missão é impactar a vida de 1 milhão de pessoas através da educação.

Como iniciar na carreira de UX designer

O curso de Design (UX/UI) possui mais de 8 horas de conteúdo técnico e conta com transformadores como: 

Mateus Pinheiro - Design Lead na Ifood
Giullia Gomes - Designer UX/UI na ThoughtWorks 

Além disso, são mais de 10 horas de conteúdo específico para o desenvolvimento de soft skills e atividades presenciais que estimulam a resolução de problemas reais do mercado.

SAIBA MAIS

Depoimentos de alumnis 💚

Franks Freitas
Product Manager na Meiuca Design
"Comecei minha carreira na área de gestão de projetos pois gostava de TI mas não sabia programar, em uma das empresas acabei indo para área de suporte, como não gostei comecei a procurar algum diferencial, nisso eu conheci o Gama Academy, nao passei na prova, mas consegui entrar (isso não vem ao caso rs) e pelo Gama comecei na área de UX, onde fiquei por 1 ano, quando fui mudar percebi que todos as vagas pediam UI (coisa que eu não sei), com isso comecei a me posicionar como uma pessoa de produtos que conhece UX."
Gustavo Marinho
CEO na Arenna
"Iniciei a minha carreira profissional como Designer em agências de publicidade. Após conhecer o mundo das startups, descobri a Gama Academy, onde resolvi me mudar para vim realizar o programa, durante o programa desenvolvi valiosas habilidades que impulsionou rapidamente minha carreira, atuando em uma startup logo no fim do programa." 
SAIBA MAIS

BAIXAR CONTEÚDO

EM PDF

Faça o download desse material para ler de onde você estiver! Sugiro que você também salve essa página no seus favoritos, pois nós sempre a atualizamos e você pode voltar aqui quando quiser!

MAIS

ARTIGOS

align-justifytwitterfacebooklinkedinyoutube-playinstagramchevron-up