Tinder: um growth case que provocou o crescimento explosivo do app

O Tinder, aplicativo de namoro baseado na geolocalização, foi fundado no dia 1º de setembro de 2012 e lançado no mês de outubro desse mesmo ano pelo Hatch Labs (IAC’s “innovation sandbox”). A IAC é a empresa que controla grande parte do Tinder.

Desde o seu lançamento, o Tinder se tornou um fenômeno. Em janeiro de 2014, o aplicativo já contava com mais de 10 milhões de usuários/as. [1]

Em dezembro de 2014, o app já tinha sido baixado mais de 40 milhões de vezes, com usuários passando por perfis mais de um bilhão de vezes por dia. [23]

No dia 3 de fevereiro, durante a declaração de lucros da IAC, a companhia reportou que o Tinder teve um crescimento de 100%, ano após ano, no número de usuários ativos mensais. [24]

Assim como muitas coisas a respeito do Tinder, essa avaliação era parte mito e parte real. Na primavera de 2014, várias fontes relataram que a IAC tinha direcionado US$ 500 milhões para comprar outros 10% do Tinder da Chamath Palihapitiya - avaliando a empresa em US$ 5 bilhões. 

Pouco tempo depois, Sean Rad, o CEO da Tinder, disse que o relatório estava "significativamente incorreto" [15], enquanto estimativas calculavam o valor da empresa na época em US$ 550 milhões. [25]

Mais tarde em 2014, surgiram rumores sobre investimentos adicionais no Tinder, de US$ 1 bilhão ou mais. [26] No entanto, em dezembro, o presidente da IAC e executivo sênior Barry Diller informou que a avaliação era irrelevante porque a empresa não era uma startup financiada por capital de risco. [27

Além do seu sucesso no altamente competitivo mercado de namoro, o Tinder criou ondas tanto como pioneiro na experiência do usuário móvel quanto no escândalo sórdido de sua alta gerência. 

Neste estudo de crescimento, vamos nos concentrar no mecanismo de crescimento que tornou a empresa tão bem-sucedida e não mergulhar profundamente no escândalo de gestão e no processo de assédio sexual que forçaram seu CMO e co-fundador, Justin Mateen, a renunciar, e fizeram com que Whitney Wolfe saísse da empresa. Se você quiser ler mais sobre essa turbulência na equipe de gestão e sobre os processos, clique aqui

Mas em um universo de serviços tão populares e altamente financiados, como o Match.com, o Plenty of Fish, o eHarmony e outros, como o Tinder conseguiu reinventar a experiência de namoro online usando o mobile? Neste estudo de crescimento, veremos o seguinte:

Ações iniciais

  • Criação de um aplicativo viciante por meio de uma experiência de usuário inovadora e gamificada, que capitalizou novas normas sociais a respeito do relacionamento casual; 
  • Construção de um mercado robusto de oferta e demanda por meio de fraternidades universitárias;
  • Impulsionar os efeitos da rede através de lançamentos em faculdades.

Mecanismos de crescimento atuais

  • Estratégia de boca a boca e imprensa, que continua impulsionando o crescimento; 
  • Extensões de produto que tornam o aplicativo acessível a mais usuários, além daqueles solteiros que estão em busca de conexão; 
  • Recursos do produto que aumentam o reengajamento e a retenção;
  • Expansão internacional;
  • Monetização.

Introdução 

O Tinder é um aplicativo móvel de namoro que combina parceiros em potencial por meio de uma interface e de um design de interação. Os usuários do aplicativo são apresentados a potenciais parceiros afetivos com base em sugestões das redes sociais de seus amigos e pessoas que usam o app nas localizações próximas. 

Após visualizar um perfil, o usuário pode deslizar para a esquerda e dispensar o possível parceiro, ou deslizar para a direita, sugerindo um interesse em iniciar uma conversa com a pessoa. Se a outra pessoa também deslizar o dedo para a direita, isso significa que os dois usuários estão “matched” (deram um match). Ou seja, as duas apresentaram interesse mútuo, foram correspondidas e poderão iniciar um diálogo, marcar um encontro, etc.

Quando um usuário abre o Tinder, o aplicativo usa sua última localização, bem como informações sobre amigos em comum (via Facebook), interesses e redes de relacionamento para gerar possíveis matches. Quanto mais o usuário se engaja com o Tinder, melhor o potencial de match do aplicativo se torna. 

Ao contrário de outras empresas estudadas aqui no GrowthHackers.com, o Tinder não é uma startup tradicional. Ao contrário, o Tinder é apoiado pela IAC, a mesma empresa proprietária da mega-companhia de namoro, Match.com. O Tinder nasceu no Hatch Labs, que é o programa de inovação da empresa para mobile, que foi fundado em março de 2011 e posteriormente fechado em fevereiro de 2013. [2

Muitas pessoas pensam no Tinder como uma startup, e essa confusão funciona como uma vantagem para o app e pode ser até, de alguma forma, intencional, pelo menos segundo Sam Yagan, CEO do Match.com e do OkCupid. Yagan explicou isso em junho de 2013:

“Nós mantemos isso porque é muito mais sexy ser uma startup totalmente nova, que não tem nada a ver com o líder do mercado. Mas estamos constantemente tentando criar coisas novas no Match, e este é um produto que começamos a trabalhar no final do ano passado com a equipe de Los Angeles, e foi lançado”. [3]

O Tinder ainda não arrecadou dinheiro fora da IAC e, em junho de 2014, Yagan disse ao TechCrunch que "a IAC foi, é e sempre será a proprietária majoritária do Tinder". [5

Mas o status do Tinder como empresa não é a única coisa misteriosa nessa história. A mitologia e os fatos entram em conflito na forma como o aplicativo foi realmente fundado. Fontes concordam que os fundadores estavam trabalhando originalmente no Cardify - outro aplicativo de fidelidade de clientes, também da Hatch Labs - quando o codificador Joe Muñoz criou uma versão inicial do Tinder. 

À medida que a equipe mudou gradualmente o foco do Cardify para o aplicativo de namoro que eles chamavam de Matchbox, eles perceberam que o nome era muito semelhante ao Match.com, da IAC. Há discordâncias sobre quem originalmente surgiu com o nome Tinder. 

A ex-executiva de marketing (e, de acordo com algumas fontes, co-fundadora) Whitney Wolfe afirma que ofereceu "Tinder" como uma alternativa à palavra “Tender”, que significa afetuoso em inglês, e foi considerada muito romântica. O TechCrunch diz que suas fontes anônimas foram incertas, mas listaram Badeen, Muñoz e Wolfe como os possíveis criadores do nome. [7

Embora muitos detalhes sobre o Tinder sejam confusos, os números não são. Em dezembro de 2014, o Tinder havia sido baixado mais de 40 milhões de vezes, com usuários passando por 1 bilhão de perfis todos os dias. [28] Então, como é que o Tinder cresceu tão rapidamente em tão pouco tempo?

Ações iniciais 

Boca a Boca e construção da oferta 

Como em qualquer mercado, a liquidez é a chave do sucesso. Liquidez é a disponibilidade de compradores e vendedores para participar de transações. Em um mercado monetário, deve haver oferta suficiente para compradores e demanda suficiente para participação de vendedores. Sem os dois lados do mercado, não há mercado. 

Isso geralmente é descrito como o problema do ovo e da galinha - como você fica de um lado sem o outro? Como vimos nas palestras de Nilan Peiris na GrowthHackers Conference em Londres [29], e nas palestras e artigos do fundador da Sprig Gagan Biyani e do Sangeet Choudary da Platformed.info, a maneira mais fácil de alavancar um mercado é aumentar o lado da oferta primeiro. [30

Construir a parte do “vendedor” do mercado é mais fácil de fazer e pode ser implementado pagando pelo fornecimento ou oferecendo outros incentivos para participar. No mundo do Tinder, não existem verdadeiros compradores e vendedores, mas em muitos ecossistemas de namoro e similares o “suprimento” de mulheres em uma plataforma é o que desencadeia a participação dos homens. É o mesmo princípio por trás das promoções "Ladies 'Night" nos bares locais. Semeie o mercado com suprimentos e os compradores vêm participar. 

O Tinder sabia disso e iniciou o aplicativo de namoro com as mulheres primeiro, concentrando-se nas meninas dos grêmios estudantis como as primeiras usuárias. À medida que mais mulheres ingressavam na plataforma, os homens estavam ansiosos para fazer o download e ver quem estava disponível nas proximidades para encontros. 

O movimento foi brilhante: a geração millennials é digitalmente experiente e muito focada no mobile e as irmandades das faculdades oferecem grandes ecossistemas onde o boca a boca pode se espalhar de um-para-muitos, e as conexões entre amigos e todo o sistema geral do app tornam o boca a boca mais contagioso. A combinação da oferta e do boca a boca foi como uma faísca na palha seca. Como Muñoz disse a Nick Summers, da Businessweek:

“Enviamos [Wolfe] por todo o país. O tom dela era bastante genial. Ela ia a cada irmandade das faculdades, fazia sua apresentação e mandava todas as meninas nas reuniões instalarem o aplicativo. Em seguida, ela ia à fraternidade correspondente dos meninos e eles abriam o aplicativo e viam todas essas garotas bonitas que conheciam”. [9]

Quando Wolfe voltou de sua viagem, Muñoz disse que o Tinder havia crescido de menos de 5.000 usuários para quase 15.000. “Nesse ponto”, ele disse, “eu pensei que a avalanche havia começado.” [9

A importância desse crescimento inicial e da propagação do boca a boca não pode ser subestimada, pois ajudou o aplicativo desconhecido a alcançar a massa crítica necessária para que o efeito de rede ocorresse. O boca a boca continua sendo um importante fator de crescimento para o Tinder. 

A produtora de reality shows e aspirante a comediante Jamie Parks - que conheceu seu namorado há um ano usando o aplicativo - disse que começou a usar o Tinder porque todos os seus amigos estavam fazendo isso. Não demorou muito para que ela “se viciasse”, de vez em quando deixando o bar para “ir para a casa, deitar na cama, comer e usar o Tinder, como se fosse uma atividade”. [10

Tomas Chamorro-Premuzic, professor de psicologia de negócios da University College London e vice-presidente de pesquisa e inovação da Hogan Assessment Systems, afirma: “Embora ainda seja um pouco embaraçoso confessar o uso do EHarmony ou Match.com, os usuários do Tinder se orgulham de mostrar o aplicativo em um jantar.” [8

Ao contrário de outros tradicionais canais de namoro online, o Tinder é mais socialmente aceitável para conversar, exibir e usar na presença de amigos. Enquanto o EHarmony é usado em particular, os usuários do Tinder compartilham suas atividades com seus amigos.

O efeito de rede

Com redes como o Tinder (junto com o Facebook, LinkedIn, Instagram e outros), o tamanho da base de usuários é sempre crítica para o sucesso. E, talvez, com o Tinder, ela tenha sido ainda mais importante, já que o aplicativo é baseado na localização e isso exige uma quantidade suficiente de possíveis usuários para fazer os potenciais matches. 

Em uma cidade com apenas 100 usuários, a diversão duraria uma ou duas sessões, no máximo, antes que os matches em potencial fossem esgotados. Afinal, não importa o quão divertido ou envolvente seja a experiência do usuário, um site de namoro sem possíveis matches não é muito útil. 

É aqui que o sistema das fraternidades das faculdades desempenhou um papel central e duplo no crescimento. Ele foi um grupo rico de usuários-alvo para a obtenção de mulheres e também garantiu redes densas para aumentar rapidamente o número de pessoas na plataforma em uma área. 

Depois que algumas irmandades começaram a usar o aplicativo, o boca a boca entre as casas de irmandade e fraternidades dos campus assumiu o controle, aumentando instantaneamente a disponibilidade de possíveis matches para os usuários daquela área. 

Já falamos antes sobre como as restrições ao tamanho da rede ajudaram empresas como Facebook, Uber e Belly a criar liquidez em sua rede. Tinder usou a mesma estratégia, mas em vez de definir seus sites em áreas geográficas (como cidades no caso da Uber), eles usaram as faculdades para abastecer e impulsionar a densidade da rede. Depois que o Tinder ganhou uma base de usuários suficiente, graças à propaganda boca a boca, a adoção começou a fluir, graças ao efeito de rede - quanto mais usuários o Tinder obtinha, mais valioso se tornava e mais pessoas se uniam.

A experiência do usuário e o namoro 3.0

Conversamos muito sobre o papel crítico que o boca a boca desempenhou no crescimento inicial do Tinder, mas o que foi que provocou o fenômeno do app? Além de ser um aplicativo de namoro móvel, baseado em localização, o Tinder inovou e aproveitou algumas verdades fundamentais sobre a experiência do usuário e a psicologia para tornar o aplicativo viciante e digno de ser discutido. 

Afinal, um aplicativo de namoro móvel por si só não cria tanta emoção - a maneira como o Tinder é construído tem tudo a ver com a forma como ele cresceu. Aqui vamos dar uma olhada em algumas das principais diferenças e inovações que tornam o Tinder memorável e viciante.

A experiência do usuário

Aparentemente, a grande diferença entre o Tinder e outros aplicativos para celular é como você navega por possíveis correspondências. Os matches são apresentados como um baralho virtual pelo qual o usuário passa o dedo. Esse padrão de experiência do usuário tem implicações importantes para o comportamento das pessoas. 

Primeiro, a experiência de revisar os matches deslizando para a esquerda para descartar e para a direita para confirmar parece intuitiva em um dispositivo móvel. É fácil de fazer com uma mão, tornando-o perfeito para se mover rapidamente por um grande "baralho" de possíveis correspondências. Segundo, ao apresentar informações de correspondência, há mais espaço na tela disponível para imagens maiores e mais informações. Esse tipo de propriedade visual não é viável em um formato de lista ou em uma tela pequena com muitas opções de navegação.

Gamificação de namoro e recompensas variáveis

Talvez o mais importante, no entanto, seja o componente de recompensa variável da plataforma. Como é impossível ver quem é o próximo, o desejo de continuar é poderoso. E se a próxima carta for a combinação perfeita? 

As recompensas variáveis ​​são um poderoso conceito psicológico usado no jogo e também funcionam perfeitamente no Tinder. As pessoas continuam passando para ver se conseguirão uma coisa melhor no futuro. Para aumentar ainda mais essa recompensa em potencial, existe a noção de que algumas das pessoas com as quais você se depara realmente passaram direto para você. Você não sabe exatamente quem, mas há uma alta probabilidade de que alguém que você está avaliando nesse momento pense que você seja atraente ou interessante e tenha solicitado um match com você. 

Tomasz Chamorro-Premuzic argumenta em um artigo sobre o aplicativo, escrito para o The Guardian, que o “Tinder é apenas o exemplo mais recente para a sexualização de gadgets urbanos: é nomofobia, pornografia no Facebook e saga Candy Crush, tudo em um”. [8

Ele continua dizendo que a conexão é apenas um pretexto para muitos usuários, enquanto o ato de Tindering é tão significativo quanto o próprio namoro potencial. A experiência de Jamie Parks, como discutido acima, parece apoiar essa noção. Afinal, as pessoas usavam o HotorNot.com há anos para meramente classificar outras pessoas sem a recompensa de possíveis conexões - isto é, antes que ele finalmente se tornasse um serviço de namoro. 

Afirmando a natureza social e gamificada do Tinder, Issie Lapowsky, da Wired, explica: "Essa pode ser a primeira tecnologia de namoro que as pessoas comprometidas realmente desejam usar”.

Molly Mulshine, da BetaBeat, descreve a experiência de Bethany, que baixou o Tinder por curiosidade depois de ouvir sobre isso de um amigo. Para Bethany, o Tinder era apenas mais uma opção à sua rotina de mídia social. Mulshine explica: "Depois de verificar obedientemente o Facebook, Twitter e Instagram, ela começaria a olhar as opções do Tinder”.

Bethany afirma ter amado o impulso do ego que surgiu ao dar match com um cara atraente e fazer com que ele mandasse uma mensagem para ela, explicando: “Quando eu estava nisso, me sentia um pouco voyeurista , um pouco excitada e diferente. Você testa os limites do que você pode e não pode dizer. Não me sentia como eu”.

De fato, o Tinder pode ter projetado um sistema muito poderoso. Enquanto a maioria das plataformas de namoro promete amor verdadeiro e uma saída definitiva, o valor do Tinder está em buscar quem esteja na área agora e possa se interessar por você.

Mesmo após um match bem-sucedido, a experiência de jogo do aplicativo cria uma forte necessidade de retornar e ver o que mais existe por aí. É o medo de perder matches ​​que o torna altamente viciante.

Amor à Primeira Vista: A Psicologia do Tinder

A experiência de Bethany não é incomum. Como explica Chamorro-Premuzic, o Tinder permite que os usuários atendam a algumas necessidades sociais e evolutivas muito básicas:

“Assim como o Facebook, Twitter ou LinkedIn, o Tinder permite que as pessoas se entendam, embora de uma maneira um tanto infantil, sexual e superficial. Também nos permite avançar, nutrindo nossos instintos competitivos, testando e maximizando nosso potencial de paquera. E, finalmente, o Tinder permite que os usuários satisfaçam sua curiosidade intelectual: descobrindo não apenas os interesses e a personalidade de outras pessoas, mas o que eles pensam dos nossos”. [8]

No entanto, Chamorro-Premuzic continua argumentando que parte do apelo do Tinder é que ele emula o mundo real do namoro - no qual as pessoas fazem julgamentos rápidos com base na aparência e na percepção visual. De várias maneiras, o Tinder tem uma vantagem sobre os principais sites de namoro, porque é muito mais realista. Como fazer contato visual com alguém do outro lado do bar e decidir falar ou não com ele, no mundo real, a maioria das pessoas não descobre qual é o livro ou o restaurante favorito de uma possível paquera até avaliar a atração física . Rad, o CEO, disse à Fast Company [22]:

"Queremos criar experiências que imitem o comportamento humano. O que fazemos no Tinder não é diferente do que já fazemos", diz Rad. "Você vê alguém. Você começa com o rosto. Se você encontra uma conexão, continua a explorar: 'quais são nossos interesses comuns, nossos grupos sociais?' Você está tentando criar validação. A partir daí, você abre uma caixa de diálogo".

A Dra. Helen Fisher, antropóloga biológica da Universidade Rutgers, concorda, explicando: "Há uma razão pela qual chamam de 'amor à primeira vista', não amor à primeira conversa, primeiro cheiro ou primeira piada". [10] Ela continua apontando que, de várias maneiras, o Tinder pode ser um lugar mais eficiente para encontrar um parceiro.

"Em Nova York, quando você entra em um bar, não há resposta. As outras pessoas não sabem que você entrou. Você não sabe se elas estão procurando um encontro. Todos podem estar lá com esposas que estão na outra sala”. [10]

Quando possíveis correspondências são apresentadas no Tinder, por outro lado, geralmente é seguro para os usuários fazerem um punhado de suposições. Para começar, que a pessoa é solteira e aberta à ideia de conhecer alguém.

Suavizando o golpe de rejeição: aceitação dupla

Graças ao recurso de dupla adesão do aplicativo, o medo de rejeição também diminui significativamente. Como Lapowsky aponta:

“Sites como o OKCupid e o Match.com nunca foram capazes de solucionar o problema da rejeição. Eles também não simplificaram muito o processo, ainda solicitando aos usuários que preenchessem pesquisas de namoro longas e antiquadas. O processo é uma chatice. A rejeição é decepcionante. E o fato de você estar fazendo isso de qualquer maneira só se encaixa no estereótipo solitário de que a indústria de encontros on-line passou por um período tão difícil de se esquivar”. [11]

As histórias de horror dos sites tradicionais de namoro online são abundantes, muitas das quais decorrem do fato de que os homens superam as mulheres, e as mulheres são frequentemente inundadas com frases clichês de homens com quem elas nunca considerariam sair. 

Embora ainda haja muitas solicitações terríveis e um risco de rejeição após um match, a insegurança é reduzida, pois os usuários sabem que suas escolhas foram acertadas. O Tinder não representa o mesmo desafio de um site como o OKCupid, onde as caixas de entrada das mulheres ficam cheias de solicitações indesejadas. A remoção desse trabalho torna o Tinder mais agradável e a capacidade de combinar os matches faz com que se evitem correspondências indesejadas. O usuário tem controle sobre quem fala com eles e quando.

Máximo potencial de matches com mínimo esforço 

Acrescente a tudo isso o fato de as pessoas geralmente não terem tempo e aí fica claro por que muitas pessoas querem usar uma ferramenta de namoro que apresente centenas de possíveis correspondências em um período relativamente curto de tempo. O usuário do Tinder, “Nick”, explica:

"Você não acreditaria em quantas mulheres interessantes estão lá. Mulheres totalmente bonitas e de enorme sucesso, esperando que alguém as convide. Estive com organizadoras de eventos brasileiras que gostam de capoeira, escritoras, comediantes que traficam drogas - qualquer combinação de pessoas”. [10]

Na verdade, Nick vê o Tinder como "o fim do namoro on-line", graças em grande parte ao processo de inscrição e integração relativamente indolor. Através da integração da plataforma do Facebook, a identidade é verificada e as fotos estão prontamente disponíveis. Em vez de preencher um questionário de várias páginas, os novos usuários escrevem um slogan simples. 

Depois de entrar, eles podem começar a analisar possíveis correspondências instantaneamente e a experiência de usuário não poderia ser mais simples: deslize para a esquerda para não, deslize para a direita para sim. 

Como os usuários não precisam criar perfis, há simultaneamente menos trabalho exigido, além de mais oportunidades para extrair valor do serviço por meio de conversas com os matches. Essa facilidade de criação de conta leva ao grande problema de bot do Tinder, que abordaremos mais adiante.

Externalizando o aplicativo com novas extensões

Matchmaker

Em junho de 2013, o Tinder lançou um recurso chamado Matchmaker, projetado para permitir que os usuários apresentem dois amigos - seja para fins românticos ou outros. Uma vez introduzidos, esses amigos podem conversar no aplicativo. Esse recurso aparentemente simples abriu novas oportunidades de crescimento para o Tinder. 

Antes do Matchmaker, os usuários do Tinder só podiam encontrar correspondências por si próprios. Essa restrição limitava o número de usuários do Tinder a (presumivelmente) pessoas solteiras que procuravam encontros. Com o lançamento do Matchmaker, no entanto, o Tinder tornou o aplicativo acessível para aqueles que não fazem parte do grupo de namoro: pessoas casadas ou pessoas com relacionamentos. 

Ao jogar como casamenteira, a empresa criou um novo caso de uso atraente para usuários que não podiam justificar o uso do aplicativo como existia anteriormente. Agora, as pessoas comprometidas que queriam ver do que se tratava o Tinder tinham um conjunto de recursos que tornavam o aplicativo relevante para eles e davam a eles uma maneira de conectar amigos a outros amigos via Tinder.

Listas

Então, em novembro de 2013, o Tinder lançou o Lists, um recurso que o editor do TechCrunch Alexa Tsotsis descreve como "a primeira iteração do produto para um caso de uso para todos”. As listas permitem que os usuários classifiquem correspondências em grupos de sua escolha - por exemplo, "amigos de Paris" ou "pessoas que gostam de brunch". 

A atualização também incluiu suporte para 24 novos idiomas. Exemplificando a mudança do aplicativo em direção a um caso de uso mais amplo, Rad explicou a Tsotsis que o Tinder está trabalhando em um recurso que cria automaticamente listas dinâmicas usando o algoritmo de relevância, as preferências do usuário, o local e os interesses do aplicativo.

Momentos

Lançado em junho de 2014, o recurso Snapchat-meet-Instagram, intitulado Moments, permite que os usuários compartilhem fotos editadas e efêmeras com todas as suas correspondências. O novo recurso não apenas altera a maneira como as pessoas usam o Tinder, mas também atua como um mecanismo de reengajamento e retenção para os usuários. 

Momentos permite que os usuários interajam de uma nova maneira, mas também reativem matches antigos que possam ter se esquecido delas - reacendendo as conversas antigas. Por alguns momentos, Rad afirma: "Trata-se de compartilhar esses momentos, e só porque você combina, não significa que você precise namorar essa pessoa; você pode combinar com um amigo com quem deseja compartilhar um momento”.

Os usuários simplesmente tiram uma foto usando o aplicativo, e a foto está disponível para correspondências para exibição pelas próximas 24 horas. Como é padrão no aplicativo, as correspondências podem deslizar para a direita para "curtir" e para a esquerda para "não", e os usuários podem começar a conversar com aqueles que curtiram a foto. 

Os usuários também podem optar por não ver os momentos de outras pessoas. Juntamente com os momentos, o Tinder adicionou aos usuários a capacidade de desativar o modo de descoberta, permitindo que eles ainda conversem com os matches existentes, enquanto optam por não serem emparelhados com novas pessoas. Além disso, Rad aludiu a um recurso que fará parte do próximo lançamento do aplicativo que "solidificará que o Tinder não é apenas relacionado a namoro”. 

Crescimento Internacional

Após um crescimento impressionante nos EUA, o lançamento do Tinder no Android em julho de 2013 representou um impulso para o crescimento internacional. Como Mateen explicou na época:

“Temos experimentado uma trajetória de crescimento inacreditável nos EUA e conseguimos atingir uma parcela significativa de usuários de iPhone em nosso mercado-alvo. À medida que mudamos nosso foco para o crescimento internacional, faz sentido lançar o Tinder para Android, que possui quase 70% do mercado de smartphones no exterior”.

Em novembro de 2013, os maiores mercados internacionais do Tinder eram o Brasil e o Reino Unido, cada um crescendo cerca de 2% ao dia e acrescentando mais de um milhão de usuários apenas em dois meses. Segundo Rad, uma vez que a empresa vê a adoção orgânica sustentada do Tinder em um novo mercado, eles aumentam esse crescimento com a ajuda de "celebridades locais" que possuem grandes redes de influência. 

Essencialmente, a empresa procuraria usuários avançados nas redes sociais para colocá-los no site e promover sua presença nele. Todas as celebridades menores, da Miss America a atletas olímpicos, foram citados como usando o aplicativo na imprensa, o que gerava burburinho e crescimento adicional do número de usuários. 

Esta tem sido a estratégia da empresa nos EUA, e eles conseguiram replicá-la com sucesso também nos mercados internacionais. Na Turquia, o Tinder também experimentou brevemente os anúncios do Facebook, mas eles descobriram que o crescimento estagnou em cerca de 25.000 usuários e, como diz Mateen, “a qualidade dos usuários era completamente diferente. O crescimento foi horrendo comparado a qualquer outro lugar”.

No entanto, depois de implementar o método estabelecido de “celebridade local”, o crescimento na Turquia também aumentou. De acordo com a App Annie, em fevereiro de 2015, o Tinder estava classificado entre os 100 melhores aplicativos gerais para Android em 23 países e entre os 100 principais aplicativos iOS em 44 países. 

Além disso, entre os aplicativos Android Lifestyle, o Tinder ficou entre os 100 melhores para 62 países, os 10 melhores para 41 países e os 5 melhores para 35 países. Entre os aplicativos iOS Lifestyle, o Tinder ficou entre os 100 melhores para 139 países, os 10 melhores para 82 países e os 5 melhores para 56 países. 

Tinder foi o aplicativo Android Lifestyle nº 1 na Bélgica, Reino Unido, Suíça, França, Estados Unidos, Hungria, Chile e Filipinas e o aplicativo iOS Lifestyle nº 1 na Letônia, Malta, Bélgica, Brasil, Lituânia, Islândia, Estônia, Suécia e Finlândia.

Monetização

Rad assegurou a Tsotsis em 2013: "Nunca adicionaríamos um paywall ao valor principal, queremos que ele permaneça sempre livre". No entanto, a empresa considerou vários meios potenciais de monetização, incluindo compras no aplicativo ou oferecer a opção de presentes no estilo do Facebook, como uma dúzia de rosas virtuais. 

Os co-fundadores afirmaram, no início de 2013, que estavam “confiantes de que a monetização não viria na forma de anúncios”. No entanto, em janeiro de 2014, Charlie Dewitte, do Advancers.org, compartilhou a seguinte campanha publicitária.

No entanto, contrariamente às alegações de Rad em 2013 de que o Tinder sempre seria gratuito, a empresa anunciou, em 2 de março de 2015, o lançamento do TinderPlus, um plano pago que varia de preço, dependendo da idade, localização e talvez sexo. 

Para a maioria dos usuários, o serviço custa US$ 9,99 por mês e, para aqueles com mais de 30 anos, é US$ 19,99 por mês. Como tudo no Tinder, há um pouco de obscuridade em como esse modelo de preços funciona. A empresa disse ao Quartz:

"Muitos produtos oferecem níveis diferenciados de preço por idade, como o Spotify faz para os alunos, por exemplo. O Tinder não é diferente; durante nossos testes, aprendemos, sem surpresa, que os usuários mais jovens estão tão empolgados com o TinderPlus, mas têm mais restrições de orçamento e precisam de um preço mais baixo para acionar o gatilho".

No entanto, o produto em si é direto. O serviço oferece aos usuários a capacidade de:

  • Voltar para a pessoa anterior na qual você deslizou para a esquerda. (Este é um dos recursos mais solicitados pelos usuários do Tinder.)
  • Passaporte que permite que os usuários procurem correspondências em qualquer lugar do mundo, em vez de apenas serem limitados à sua localização geográfica atual.
  • Sem anúncios. O que alude ao fato de que mais anúncios virão para o serviço gratuito, provavelmente na forma de anúncios nativos, como o exemplo do Mindy Project acima.
Tinder: um growth case que provocou o crescimento explosivo do app 1

Tinder como um canal

Com tanto crescimento e entusiasmo, não surpreende que as empresas tenham tentado tirar proveito do Tinder como uma plataforma de crescimento para seus próprios produtos através da criação de bots e perfis falsos no app.

Perfis falsos do Tinder

Em julho de 2013, a empresa de segurança Symantec relatou spam de webcam adulto na plataforma Tinder. Quando combinados com uma conta de spam, os usuários seriam convidados para uma sessão de webcam para adultos em um site externo. Uma vez no site, os usuários seriam solicitados a inserir um cartão de crédito para verificar sua idade, embora as letras miúdas mostrassem que eles seriam cobrados se não cancelassem a tempo. 

Desde o relatório original da Symantec, o Tinder fez um esforço para reduzir o spam, adicionando a capacidade de relatar contas suspeitas. No entanto, os robôs do Tinder conseguiram continuar enganando os usuários. Em abril de 2014, Sarah Perez, do TechCrunch, relatou spambots usando os mesmos tipos de bate-papos com script e links externos para tentar fazer com que os usuários baixassem aplicativos móveis como o Castle Clash. 

Além dos aplicativos e sites de webcam, as novas iterações dos spambots do Tinder são perfis de prostituição falsos com fotos provocativas e sobreposição de texto que incorporam termos usados ​​em anúncios de prostituição on-line, bem como URLs onde os usuários podem se conectar.

No entanto, quando os usuários visitam as URLs nos perfis de prostituição, eles geralmente são redirecionados para um site pessoal explícito para encontros casuais e conexões. A inclusão de termos, URLs e preços de prostituição na sobreposição de texto, em vez da seção bio designada, permite que os bots evitem os esforços de Tinder para procurar spam. 

Seja webcam adulto, aplicativo ou site pessoal, os spambots do Tinder fazem parte de programas afiliados, e os remetentes de spam recebem uma compensação por converter usuários desavisados ​​do Tinder em leads. De acordo com a Symantec:

“Embora não tenhamos informações sobre a conversão de leads e associações premium, temos algumas estatísticas sobre taxas de cliques em algumas campanhas. Por exemplo, desde o final de janeiro de 2014 até meados de abril de 2014, uma campanha associada a um site chamado blamcams resultou em quase meio milhão de cliques em sete URLs. Dependendo das ofertas oferecidas pelo programa de afiliados e do número de conversões bem-sucedidas de leads, esse spammer em particular provavelmente ganhou bastante dinheiro”.

O que vem a seguir para o Tinder?

Com uma versão premium lançada em 2 de março de 2015, resta saber se o Tinder pode manter seu crescimento tórrido. A nova experiência do usuário do Tinder foi replicada em todos os tipos de aplicativos possíveis, e o público sempre instável pode se cansar a qualquer momento. 

Embora a IAC esteja confiante de que uma versão paga do aplicativo não irá desacelerar o crescimento, há poucas dúvidas de que o serviço "grátis" sempre cresce mais rapidamente no espaço móvel. 

Devido à situação única da empresa, como subsidiária da IAC, ela não enfrenta a pressão do investimento externo e pode facilmente se tornar apenas mais um ativo maduro no portfólio da IAC. 

Só o tempo dirá, mas como a IAC é uma empresa pública, poderemos obter pelo menos algumas informações sobre a saúde financeira do Tinder a cada chamada de ganhos. 

Co-autoria de Everette Taylor. Agradecimentos especiais a Ross Simmonds por seu trabalho inicial no conteúdo do Tinder e na estratégia de relações públicas.

Este é um artigo traduzido, você pode acessar a versão original em inglês aqui.
Todos os créditos para o autor: Morgan Brown

twitterfacebooklinkedinyoutube-playinstagram