UX Case: transformando o Google Tradutor

Três aprendizados de UX do redesenho da versão mais recente do Google Tradutor.

Após uma longa jornada de trabalho, lançamos a nova versão do site do Google Tradutor com um layout responsivo e um projeto moderno de design UI (Interface do Usuário). 

UX Case: transformando o Google Tradutor 1

Dada a popularidade global do Google Tradutor, nós sabíamos que tínhamos que nos preparar para certa resistência à mudança. 

Há muitos artigos ótimos sobre estratégias para minimizar a resposta de aversão à mudança. Mas, como costuma acontecer em projetos dessa escala, existem algumas lições que podem ser aprendidas por meio da retrospectiva. 

Aqui estão os meus principais aprendizados obtidos a partir do redesenho do Google Tradutor. 

1. Seus/suas usuários/as são sua bola de cristal 

Se você leu sobre aversão à mudança, provavelmente encontrou um gráfico como esse: 

UX Case: transformando o Google Tradutor 2

Ele mostra os diferentes resultados possíveis após a introdução de uma mudança, mas não ajuda a prever os resultados da sua mudança. Essa falta de clareza e controle me frustrou inicialmente. 

Mas, com cada experiência iterativa, eu percebi que nossos/as usuários/as estavam nos guiando naturalmente por meio de suas ações e feedback em direção ao melhor resultado possível.

Leia também: Persona: como criar e por que o uso dela é essencial para projetos

Durante nossa fase de experimentação, usuários/as do Google Tradutor enviavam comentários que variavam de elogiosos a castigantes. 

Nem sempre foi uma leitura fácil, mas eu e minha equipe passamos horas lendo o maior número possível e respondemos arquivando bugs ou aprimorando o design. 

Por exemplo, ao ler os comentários, percebemos que alteramos inadvertidamente a ordem de tabulação para alguns elementos, causando problemas para a produtividade dos nossos usuários diários, então tivemos que alterá-los de volta. 

Da mesma forma, aumentamos a densidade de informações da página depois de ouvirmos claramente que as pessoas preferiam ver mais informações na tela.

É tentador ficar obcecado em alcançar o design perfeito antes de mostrá-lo aos/as usuários/as reais. 

Mas é melhor se concentrar na criação de um plano de experimentação em fases, que te permita coletar e responder ao feedback em escala.

Desde que você tenha um mecanismo para fazer isso, seus/suas usuários/as te ajudarão a entender o que precisa ser feito. 

2. Solicitar preferência em estudos de usabilidade pode ser uma armadilha

Testar a usabilidade do seu novo design pode te ajudar a detectar quais são os maiores problemas e te fornecer uma avaliação mais ampla para a direção do seu design. 

Normalmente, esses estudos são realizados com amostras pequenas - uma dúzia de participantes ou menos. 

Embora seja tentador perguntar a essas pessoas participantes do estudo de usabilidade qual design elas preferem, os resultados não são estatisticamente confiáveis e podem induzi-lo a uma falsa sensação de segurança.

Fizemos várias rodadas de estudos qualitativos e pesquisa com usuários/as para o novo site do Google Tradutor, descobrindo e corrigindo problemas de usabilidade desde o início. 

Também solicitamos as preferências de design desses/as participantes, que predominantemente preferiram a nova versão. 

Mas nós estávamos atentos para não tirarmos conclusões fortes a partir dos dados de preferência, o que foi bom – já que a propagação real da preferência do/a usuário/a após nosso lançamento inicial não correspondeu exatamente ao que vimos anteriormente nos testes. 

Leia também: UX mindset: o papel do/a designer nos negócios digitais

3. Deixe o teste A/B ser seu árbitro

Com o novo design, queríamos trazer mais destaque e animação ao site do Google Tradutor. 

Nas primeiras iterações, usamos ícones ilustrativos coloridos (criados pelo talentoso Alexander Mostov), mas as primeiras experiências com esses recursos em nossos aplicativos para dispositivos móveis não mostraram bons resultados. 

Então nós os abandonamos em favor de ícones de materiais mais simples.

UX Case: transformando o Google Tradutor 3

Outra maneira de introduzirmos alguma personalidade foi fazer as traduções aparecerem em texto branco sobre um fundo azul, exatamente como sempre fizemos em nossos aplicativos para dispositivos móveis. 

Para facilitar a leitura de traduções mais longas, alteramos de forma adaptável as cores do texto e do plano de fundo para preto sobre cinza após a consulta do/a usuário/a atingir um determinado tamanho. 

Mas algumas pessoas da equipe ainda não haviam se convencido da cor azul. Assim, o teste A/B veio em socorro. 

Realizamos dois experimentos lado a lado - um usando a abordagem adaptativa descrita acima e outro sempre mostrando traduções em texto escuro sobre um fundo cinza. 

Os resultados foram convincentes: os/as usuários/as do experimento com o plano de fundo azul traduziam com menos frequência, provavelmente porque não gostaram dele.

Fiquei triste em dizer adeus ao azul, mas encontramos outras maneiras de destacar o site, por exemplo, usando ilustrações em cartões promocionais e Empty States (telas na interface).

Redesenhar projetos pode ser difícil. Não saber como as pessoas vão reagir pode ser assustador. 

O que aprendi ao redesenhar o site do Google Tradutor foi que, em vez de tentar prevenir ou controlar a aversão das pessoas à mudança, é mais produtivo adotá-la como uma parte importante do processo de design

Ao projetar uma estratégia de implementação cuidadosamente planejada e que permita que seus/suas usuários/as enviem feedback, você pode obter dados valiosos em escala daqueles/as que mais importam - ajudando você a tomar melhores decisões de design.

Este é um artigo traduzido, você pode acessar a versão original em inglês aqui.
Todos os créditos para o autor: Pendar Yousefi & contribuição de Olivia Grace

twitterfacebooklinkedinyoutube-playinstagram