De volta para o futuro do mercado de trabalho - para onde vamos?

Para onde vamos?

Muito se fala sobre como será o futuro do mercado de trabalho. O ser humano perderá a relevância e consequentemente perderá o seu trono para os robôs?

A tecnologia realmente vai acabar com as profissões que vemos nos dias de hoje? 

Calma aí, não criemos pânico!

Ainda que a tecnologia traga melhorias para processos e realização de atividades nas nossas rotinas, essas questões são algumas das preocupações que andam tomando forma na sociedade.

É claro que a tecnologia e a automação já estão trazendo novidades no mercado de trabalho e alguns cargos estão ameaçados de extinção. A Amazon já possui a sua loja self-service. Ou seja, não há atendentes nos ambientes, nem mesmo caixas para cobrança (adeus filas intermináveis).

Em terras tupiniquins, o Carrefour já tem planos para construir um supermercado no mesmo estilo. Isso já traz uma baita transformação. No entanto, afirmar que não haverá mais trabalho para nós, reles mortais, é um tanto dramático.

Não tenha nada a temer (muito)

O mercado de trabalho está se transformando e tornando-se cada vez mais dinâmico, seguindo o rumo natural da nova era digital: tudo muda na velocidade da luz.

Antes, era positivo que um/a profissional fosse generalista. Isto é, pudesse saber da sua área e um pouco das áreas correlacionadas. Entretanto, a demanda atual e que seguirá para o “futuro” do mercado de trabalho é que essa seja cada vez mais especialista.

E isso faz sentido, já que as máquinas e robôs conseguirão fazer o trabalho mais braçal e operacional, dando ao ser humano a possibilidade de explorar e inovar através de soluções para resolver problemas mais complexos.

Especialista dos paranauê

Já vivemos uma era em que apenas fazer uma faculdade não é mais suficiente, pois o conhecimento muda constantemente, exigindo que a gente se atualize e se aperfeiçoe cada vez mais. 

Antigamente, a pessoa se formava e, posteriormente, fazia um curso ou outro durante a carreira. Hoje, se essa profissional tiver a mesma atitude, ficará pra trás - e não é só do mercado de trabalho, é da vida no geral.

Mais do que ter um diploma, a curiosidade pelo novo e a busca pelo conhecimento serão de imensa valia. Desse modo, aprender, desaprender e reaprender. Não necessariamente cursar mais de uma faculdade, mas sim estudar pelos recursos disponíveis e ser autodidata fará uma enorme diferença.

Portanto, desenvolver hard skills constantemente será algo de extrema importância se você quiser ser relevante. Principalmente em um futuro mercado de trabalho que será ainda mais dinâmico e complexo do que o atual.

Tenha em mente que a concorrência não será somente com o/a coleguinha ao lado, e sim, a própria tecnologia, que terá ainda mais capacidade de realizar inúmeras atividades através do machine learning, inteligência artificial e tantas outras novidades que virão por aí (e virão, colegas).

Na verdade, concorrência nem é a palavra certa para determinar o tipo de relação que teremos com essas mudanças. Como falei antes, tecnologia e automação são duas forças que vem sendo trabalhadas para estarem cada vez mais presentes no nosso dia-a-dia.

Por isso, cargos com ocupações puramente técnicas devem mostrar uma nova demanda por habilidades criativas e interpessoais.

Dominar um assunto na teoria e na prática já são fundamentais hoje e a exigência só irá aumentar. O que você pode tirar disso? Invista em absorver ao máximo a sua área de conhecimento, o que não falta é informação disponível gratuitamente.

Também busque outras formas de desenvolver suas habilidades técnicas e comportamentais. O Gama Experience, por exemplo, pode te colocar à frente do tempo desde já.

Nem tudo depende (apenas) de hard skills, ladies and gentlemen

Acontece que as soft skills também serão mandatórias para o futuro mercado de trabalho - já é, na verdade. Vou te dar o exemplo de 7 competências essenciais que são e serão ainda mais valorizadas:

Análise e resolução de problemas - se o foco é trazer automação para os trabalhos mais manuais e técnicos, o futuro é tudo sobre resolução de problemas complexos.

Criatividade - criatividade é encontrar abordagens inovadoras para trazer uma solução fora da caixa e fora do que a tecnologia pode fazer (acredite, tem coisas que só humanos podem fazer).

Pensamento analítico - habilidades cognitivas de alto nível dão origem a ideias e soluções únicas. Ainda que a tecnologia, automação e tudo o que vier pela frente facilite o trabalho técnico, ainda será preciso conseguir olhar para o negócio como um todo e trabalhar as oportunidades, processos e pessoas.

Trabalho em equipe - os locais de trabalho continuarão se tornando mais orientados para a equipe e, principalmente, multidisciplinaridade. Desse modo, a capacidade de trabalhar efetivamente com outras pessoas é a chave para que essas dinâmicas deem certo. Isso inclui a capacidade de colaborar virtualmente (alô, home office!) e pessoalmente.

Adaptabilidade - o ritmo de transformação no local de trabalho e a introdução de novas metodologias exigirão a capacidade e a agilidade de se adaptar às mudanças de maneira rápida e eficiente. Ou seja: não pira! Foca no seu desenvolvimento, identifique oportunidades e se joga.

Gerenciamento de informações - as enormes quantidades de dados que os profissionais precisarão processar, exigirão a capacidade de concentração e classificação das informações. De forma eficiente e produtiva. O big data já é uma realidade, mas será ainda mais popular.

Comunicação - comunicação objetiva, assertiva e inclusiva continuará a ser central para um trabalho fluído.

Minha área de formação ainda existirá nesse futuro mercado de trabalho?

O mundo tech-driven em que estamos vivendo é uma realidade cheia de oportunidades, mas também de grandes desafios. É o que a pesquisa realizada pela McKinsey diz. O interessante nessa pesquisa, também, são os seguintes dados:

50% das atuais atividades de trabalho são tecnicamente automatizáveis.

6 de cada 10 ocupações, hoje, possuem mais de 30% de atividades que são automatizáveis.

Até 30% das horas mundiais trabalhadas podem ser automatizadas.

Toda essa pesquisa num cenário de transformação até 2030.

Imagine que, com essas mudanças sendo aplicadas desde já, a transição não será nada fácil. Mesmo que, segundo a pesquisa, menos de 5% das atividades sejam completamente automatizáveis, através das tecnologias já existentes, uma grande - grande - parte dos trabalhos já podem ser enormemente impactados.

Ok, então vai ter trabalho suficiente para a galera?

Se olharmos historicamente, diversas categorias de trabalho mudaram ao longo dos anos - com a globalização, com o uso da internet, com as tecnologias disruptivas. Elas precisaram mudar e as pessoas precisaram se adaptar as novas demandas. Até 2030, de 8 a 9% dos trabalhos demandados sequer existem ainda.

Foi assim com o Marketing, que com a transformação do mercado demandou a existência do Growth Hacking. Com vendas, que com as novas formas de relacionamento entre marcas, clientes e stakeholders, passou a forçar a existência de novas abordagens. Que, inclusive, mudou a forma como designers enxergam seus trabalhos. E nem vou falar de programadores!

É claro que, ainda que essas transformações ocorram e resultem na geração de novas demandas de ocupações, isso não quer dizer que todas as pessoas estarão aptas a executá-las. E esse é o maior desafio. Mesmo que cada canto do mundo tenha suas particularidades, há 4 fatores que podem contribuir para essa transição:

  1. Manutenção do crescimento econômico para apoiar a criação de empregos;
  2. Escalar e redesenhar a forma do treinamento profissional e desenvolvimento de habilidades;
  3. Melhorar o dinamismo das empresas e do mercado de trabalho, incluindo a mobilidade;
  4. E claro: apoio de renda e transição aos trabalhadores.

Realmente, um desafio.

O que podemos presumir?

Em outras palavras, a tecnologia irá, sim, substituir muitos empregos que são feitos de modo mais braçal e que não demandam tanta complexidade de gerenciamento dos humanos. Isso significa que você, como indivíduo, deverá se reinventar se quiser ter (seu lugar ao sol) uma carreira no futuro mercado de trabalho. 

Sua inteligência e mindset serão fundamentais para te guiar em direção ao futuro. Ah, um detalhe: o futuro já começou. 

O que você pode fazer desde já para ficar à frente do tempo? Just do it. A hora é agora.

Últimos Artigos

ASSINE NOSSA
NEWSLETTER

Curtiu nosso blog? Inscreva-se na nossa newsletter e receba nossos melhores conteúdos.
twitterfacebooklinkedinyoutube-playinstagram